Renda renascença (em andamento)

Você tem um gostinho pessoal pela renda? Hoje presente em vários objetos de decoração e peças de roupa, esse trabalho tem origem em uma tradição muito delicada e antiga, que faz parte da história de nosso país há muito tempo.

Muitas décadas atrás o povo de nossa querida região nordestina, especificamente de Pernambuco, absorveu a tradição da renda renascença, um tipo incrível de trabalho que nasceu na Europa. Os portugueses foram os responsáveis pelo contato inicial com a técnica, que logo foi assumida pelos artesãos. 

Resultado de imagem para renda renascença
Com habilidade, peças de roupas inteiras podem ser construídas através das rendas.

Dedicação muito bem recompensada

De qualquer forma, hoje esse exuberante artesanato já ultrapassou as fronteiras das cidades nordestinas, ganhando fãs em outros estados e até em outros países da Europa, Ásia e América.

Ao bater os olhos em peças de renda renascença, é fácil nos perder nos detalhes, enxergando desenhos infinitos feitos pelos fios. O resultado é fruto de um trabalho de muita dedicação das rendeiras, que podem levar vários meses para terminar um trabalho.

Os vestidos de noiva, por exemplo, tão cobiçados pelos apaixonados pela renda, costumam levar de oito meses a um ano para serem feitos!

pernambuco_estrelas_artesanato_2 (Foto: Antonio Melcop/Divulgação)
Artesã trabalhando em renda na cidade de Poção, capital oficial da renda renascença. Fonte: Globo.

As rendas de Helena

Mesmo sendo tão tradicional, em mãos certas como as de Helena Kussik essas rendas podem criar novas formas, numa espécie de trabalho bem inusitado. A artista, que estuda moda há muito tempo, se especializou em trabalhos manuais como o bordado, produzindo peças incríveis – ela já chegou a dar uma aula pra gente aqui na Micapullo.

Helena ficou tão interessada na renda renascença que decidiu explorar o assunto em seu mestrado, e seu estudo não foi brincadeira. Ela viajou até a cidade nordestina de XXXXX e aprendeu com as rendeiras as técnicas que criavam essas peças incríveis. Não foi fácil, mas dê uma olhada no resultado.

FOTO

Na experiência… (falar mais sobre)

Não é incrível saber que, com doses certas de dedicação, carinho e paciência é possível criar peças tão incríveis? Certamente essas rendeiras nos mostram isso.

E caso você tenha interesse em colocar as mãos nos fios e produzir suas próprias rendas, coloque seu nome no formulário abaixo. Logo mais estaremos abrindo uma nova oficina de renda! Vem vem!

Igor é redator publicitário há seis anos e professor de escrita criativa há dois. Já trabalhou em portais paranaenses como colunista e, atualmente, desenvolve seus estudos textuais como residente do Ateliê SOMA, em Curitiba. Amante da Sociolínguística, compreende a escrita como comunicação, jamais como uma formalidade e aqui no blog escreve sobre tudo o que tangencia o nosso universo.

Você sabe o que “crafts” significa? Que tal aprender?

Pense rápido: o que vem à sua cabeça quando falamos em coisas como “bordado”, “tricô” ou “bolsas personalizadas”? Se você pensou em uma imagem da sua avó fazendo artesanato numa tarde de domingo, precisamos te atualizar um pouquinho.

Hoje em dia, Crafts (trabalhos manuais, em inglês) se refere à algumas atividades manuais que utilizam algumas técnicas um pouquinho mais antigas para criar objetos modernos, exclusivos e, claro, com muito mais personalidade. Quer uma ideia? É só conferir na galeria da Micapullo.

Oficina de bordado que rolou aqui na Micapullo com um trabalho fofíssimo de uma das participantes!

Essa ideia toda é bem antiga, na verdade. Lá no século XIX, algumas/alguns britânicos ficaram bem cansados da padronização total que estava acontecendo na criação de objetos domésticos, fruto da industrialização. Por isso, passaram a defender o artesanato criativo e baseado nas personalidades dos consumidores, valorizando também o trabalho manual.

Quando falamos em crafts, não estamos pensando em objetos artesanais que remetam a uma cultura específica ou algo do tipo, nem a algo industrializado (reproduzido). Ao invés disso, nos referimos à criação de coisas únicas que partem de uma ideia particular, nada que seja copiado.

É por isso que ao elaborar esses objetos, a ideia principal não é ter algo meramente bonitinho para colocar na sua sala, mas algo novo e exclusivo, onde tempo e dedicação foram importantes.

Por um mundo mais fofo com suportes de plantas em macramê! | Jardim do Coração:
Cachepôs pendentes feitos com fios de tecidos. Um exemplo de craft que está na moda atualmente.

Valorizando o lado autoral dessa prática tão especial pra gente, nós da Micapullo organizamos diversas oficinas a preços acessíveis para disseminar diferentes técnicas e tentar despertar o lado artístico que existe em cada um. Tudo com muito bom humor e descontração, claro.

Costumamos ensinar desde as técnicas mais inusitadas até as mais famosas atualmente, e só convidamos quem realmente entende do assunto para dar as aulas. Você pode conhecer alguns colaboradores por aqui e conferindo as oficinas que temos disponíveis no momento.

Então, gostou de saber um pouco mais sobre o que fazemos por aqui? Se você se interessou, te convidamos para visitar nossa loja e conhecer um pouco mais sobre nossos produtos e parceiros. Vamos adorar te receber!

Igor é redator publicitário há seis anos e professor de escrita criativa há dois. Já trabalhou em portais paranaenses como colunista e, atualmente, desenvolve seus estudos textuais como residente do Ateliê SOMA, em Curitiba. Amante da Sociolínguística, compreende a escrita como comunicação, jamais como uma formalidade e aqui no blog escreve sobre tudo o que tangencia o nosso universo.

No outono é sempre igual? Não! Cores 2017 para você se inspirar

Prepare a ousadia e a alegria, abra o guarda-roupa e anime-se, porque apesar de estarmos dando tchau-tchau para o verão, as cores não foram embora, pelo contrário, se reinventaram e agora desfilarão por aí novamente. E, para você saber tudinho que estará em alta no design, na moda e no mundo, separamos algumas das tendências que encontramos por aí quando o assunto são as cores.

E o que a Pantone diz?

Há tempos a Pantone se consolidou como uma empresa que é especialista em lançar previsões e tendências das cores que as indústrias gráfica e da moda usarão durante o ano. Pensando nisso, fomos dar uma olhadinha no catálogo que a marca lançou.

Trata-se do Reveal – título dado pela Pantone à publicação. No livro você encontrará um compilado de padrões de cores que serão utilizadas pelas indústrias em coleções do outono 2017, e também outras de uso sazonal ou possíveis combinações entre elas.

Em linhas gerais, a empresa explorou aquilo que chamou de cores “reais” e “irreais”, aquelas que são mais simples, despretensiosas; e também aquelas mais fortes, chamativas e impactantes, além de uma terceira plataforma: cores que criam uma ponte entre as duas categorias.

Como combinar cores?

Se você não faz ideia de como combinar as cores que a Pantone indicou, não se desespere, porque é mais fácil do que você imagina, basta você conhecer um pouquinho sobre o círculo cromático. Olha só:

O círculo cromático normalmente é representado por um círculo com 12 cores: três primárias, três secundárias (formadas pela mistura das primarias) e seis terciárias, criadas pelas misturas das primárias com as secundárias.

Para saber como utilizá-las em sintonia, dê umbizu nas dicas abaixo.

Combinando monocromaticamente

É o famoso o tom sur tom (tom sobre tom), ou seja, a combinação feita com uma mesma cor, mas em diversos tons diferentes. Esse recurso de matizes similares permite uniformidade no visual, o que, no caso dos looks, é capaz de fazer alguém parecer mais alto, por exemplo.

Combinando cores análogas

Quando você escolhe uma cor no circulo cromático, a vizinha da direita e a vizinha da esquerda dela são as análogas e, apesar do contraste quase inexistente entre elas, as cores laterais sempre rendem uma combinação interessante. Na maioria das vezes usa-se uma cor como dominante e as outras duas entram nos detalhes para arrematar a composição.

Combinando cores complementares

A cor que está do lado oposto daquela que você escolheu é a cor complementar (azul e laranja são bons exemplos). Para quem gosta de ousadia, com certeza essa é uma boa maneira de obter boas combinações.

Combinando uma tríade

Aqui são escolhidas três cores que estão na mesma distância no círculo cromático, o que resulta numa mistura de cores vibrantes como, por exemplo, o verde, a violeta e o laranja, mas o indicado é sempre escolher uma cor para ser a dominante, ok?

Entendeu tudinho? Não? Então é só tirar as dúvidas conosco, estamos à sua disposição.

Igor é redator publicitário há seis anos e professor de escrita criativa há dois. Já trabalhou em portais paranaenses como colunista e, atualmente, desenvolve seus estudos textuais como residente do Ateliê SOMA, em Curitiba. Amante da Sociolínguística, compreende a escrita como comunicação, jamais como uma formalidade e aqui no blog escreve sobre tudo o que tangencia o nosso universo.