Conhecendo o museu do bordado

“Pra gente” que ama artes manuais, se delicia com lãs, enlouquece com botões, sonha morar dentro de um armarinho e faz coleção de tesouras… Planejar férias (ou qualquer outra coisa) sempre inclui um pouquinho dessa paixão. E o planejamento das minhas férias de verão não foi diferente! Claro, que eu fui encontrar amigos, matar saudades, conhecer lugares, mas eu também fui conhecer o Museu do Bordado.

O museu

Soube da existência dele meio por acaso digitando “rota artesanal pelo Brasil” no Google, e lá estava: MUSEU DO BORDADO! Como? Existe um museu do bordado! E ele está justamente na cidade onde vou passar parte das minhas férias?! Ahhhhh!

“O museu do bordado tem como finalidade valorizar a cultura, nossa história e o trabalho de nossas ancestrais.” – Beth Lírio

Chegando em Belo Horizonte, eu já entrei em contato com o museu e mais que depressa agendei uma visita. Com aquele sotaque encantador que só mineiro tem, eu fui muito bem recebida pela artista plástica Beth Lírio. Além de um sorriso acolhedor, ela é dona de um conhecimento gigantesco, e com muito carinho, abriu as portas da sua casa para me contar a história do bordado em nosso país.

Ali, na casa que ela mesma desenhou, abriga as mais de sete mil peças bordadas à mão e cheias de histórias. Algumas datam de 1790, outras nos contam histórias de amor, ainda tem as que nos mostram  o bordado como uma fonte de renda, e muitas delas nos revelam o bordado como ato social – principalmente no que diz respeito a condição da mulher na construção da sociedade brasileira. São roupas de cama, vestidos de noiva, roupas de bebê, mostruários de pontos (alguns da mãe da Dona Beth, que foi professora de bordado durante grande parte da sua vida), panos de prato, roupas, quadros e riscos compõem o acervo reunido.

Sala principal da casa que abriga o Museu do Bordado, Belo Horizonte – MG

O bordado como ato político-social

Antes dessa viagem, eu li um livro que se chama “Arpilleras – bordando a resistência”, onde se apresenta os bordados feitos por mulheres chilenas durante o período da ditadura militar. Elas bordavam os desaparecidos políticos, contando suas histórias e resistindo a repressão com suas linhas, agulhas e tecidos. O livro ainda conta sobre como esse movimento de resistência das arpilleras chilenas, inspirou movimentos de bordadeiras brasileiras que residem em cidades inundadas para a construção de barragens. Logo, esse aspecto político, social que o bordado tem, era algo que estava bem vivo dentro de mim e eu me perguntava o que mais o bordado fez na história e, principalmente, em nosso país. Naquela tarde, conhecendo o museu e a Dona Beth, mais um pouquinho dessa resposta me foi dada.

Você já deve ter visto alfabetos e numerais inteiros bordados! Eu sempre que os via pensava, por que as pessoas se davam ao trabalho de bordar letras? Pra que isso? Não seria mais fácil guardar os gráficos? Na minha cabeça aquilo era alguma espécie de gabarito, de mostruário de “lettering das antigas”! E numa das paredes do museu lá estavam eles: alguns alfabetos bordados! E logo em seguida, a Dona Beth contando que os alfabetos e números eram bordados como um ato de resistência feminina. Como assim?

Como às mulheres não se permitia a educação formal, as que sabiam ler e contar, escondidas atrás de tecidos e linhas em “aulinhas de bordado” ensinavam muito mais que pontos. Ensinavam as letras, os números e possibilitavam que mulheres que nunca teriam acesso a leitura, ganhassem através do bordado, essa possibilidade. E assim se bordavam os alfabetos, assim se resistia! Assim, em nosso país, mulheres bordavam a resistência!

“Museu do Bordado é”, por Beth Lírio

Os momentos que passei naquela casa, entre aquelas peças, ouvindo a Dona Beth, só serviu para que eu me apaixonasse mais ainda pelo que me tem sido dado como oportunidade de trabalho. Que alegria e que honra pode dizer que sim, eu sou uma bordadeira!

E, o que eu quero contando tudo isso, é que você não apenas planeje uma ida a Belo Horizonte para comer pão de queijo e conhecer esse museu e desfrutar da companhia da Beth Lírio. Mas que você saiba que bordar, fazer crochê, tricô, etc. São atos culturais, políticos e sociais que fazem parte da história do nosso País, e carregam em si um imenso peso de valorização da mulher… Ainda que,  silenciosamente!

“Bordar é um ato solitário e silencioso, longo e detalhado. Por entre o escolher das cores e caminhos das agulhas as mulheres bordadeiras vão entretecendo suas forças para manter o cuidado com os filhos e os velhos. Sem território e sem teto declaram uma guerra de amor e não de morte.” – Do livro “Arpilleras, bordando à resistência”

Para conhecer mais do museu do bordado clique aqui.  Lembrando que o museu é mantido unicamente com os recursos da artista Beth Lírio, dos visitantes e de doações. Ele fica em Belo Horizonte, Minas Gerais, e as visitas devem ser agendadas pelo telefone 31 3484-1067.

———————————————–

Entre tantas coisas, mulher e bordadeira, que ilustra, colore e borda com agulha e muuuuito afeto!